Cirurgia Bariátrica Redução de Estomago e Peso

Cirurgia bariátrica é o nome que se dá a diversas técnicas cirúrgicas que possibilitam a perda de peso em pacientes obesos, sobretudo por alteração gástrica


A obesidade é uma doença multifatorial, que afeta grande parte da população mundial. Embora hoje em dia tenhamos uma série de estudos, soluções com medicamentos e outras formas para emagrecer, alguns pacientes são considerados obesos mórbidos pela alta percentagem de gordura no corpo, necessitando assim de uma intervenção mais invasiva a Cirurgia Bariátrica.

É bom que entendamos que não é qualquer um que pode ser submetido a um tipo de cirurgia como esta. A indicação da bariátrica é apenas para pacientes obesos com alta probabilidade de desenvolver doenças e condições graves por conta do excesso de peso. Na criança, a Cirurgia Bariátrica só é recomendada a partir dos 16 anos, com poucos relatos em idade inferior.

Cirurgia Bariátrica Bypass Gástrico

Esta modalidade de Cirurgia Bariátrica é a mais comum no Brasil, justamente por ter uma grande eficácia na perda de 40 a 45% do peso do paciente. Além disso, a gastroplastia ainda conta com um desvio da parte inicial do intestino para o formato de letra Y, garantindo que os hormônios que dão a saciedade consigam atingir a inibição do apetite.

Esta técnica permite a perda de peso para obesos mórbidos e recuperação e controle de doenças como diabetes e hipertensão, muito comuns neste grupo.

Banda Gástrica Ajustável

Correspondendo a uma menor parte das cirurgias feitas no Brasil, a banda gástrica ajustável não têm influência na produção de hormônios como na técnica citada anteriormente, gerando uma redução no peso de 25% a 30%.

Cirurgia Bariátrica Redução de Peso

Esta Cirurgia Bariátrica consiste na introdução de um anel de silicone que abraça o estômago e controla a ingestão de comida, mexendo com o esvaziamento do órgão. Também têm influência na redução do açúcar no sangue e produz benefícios gerais a saúde decorrentes do emagrecimento.

Gastrectomia Vertical

Na última década foram desenvolvidos diversos aprimoramentos para a cirurgia bariátrica, no sentido a consolidar procedimentos já existentes anteriormente com melhorias funcionais e na indução de uma técnica nova: a gastrectomia vertical.

Este tipo de cirurgia bariátrica promove uma grande perda de peso, sendo comparada neste ponto com a primeira técnica apresentada. Nela, o cirurgião faz do estômago um tubo por onde os alimentos passam, diminuindo o espaço para armazenamento de comida.

Um diferencial que pode interferir na escolha da técnica é a capacidade desta cirurgia em diminuir a dislipidemia, aumento do colesterol no sangue que traz diversas complicações a saúde, desde a formação de placas de colesterol nas artérias até ataques cardíacos e derrame.

Combinações de técnicas também são comuns para alcançar o melhor sucesso terapêutico possível.

Balão Intragástrico para Redução de Peso

Uma das técnicas utilizadas no pré-operatório da Cirurgia Bariátrica em pacientes que estão muito obesos (IMC acima de 50kg/m²) é o balão intragástrico.

Consiste numa prótese de silicone que é introduzida por endoscopia digestiva alta no estômago preenchida por 500 ml de líquido azul. O balão intragástrico transmite ao cérebro a sensação de estar com o estômago cheio, diminuindo assim a fome. Caso o balão estoure, o líquido azul sairá na urina e assim fica muito tranquilo ter um controle.

O período deste tratamento é por até seis meses, e pode ser usado individualmente em indivíduos que estejam apenas com sobrepeso. Por se tratar de um procedimento não cirúrgico é uma boa escolha, porém a perda de peso é bem menor comparada as técnicas cirúrgicas de Cirurgia Bariátrica convencionais.

Riscos da Cirurgia Bariátrica

O porte da cirurgia bariátrica dá ao procedimento riscos maiores do que em outras cirurgias plásticas mais comuns. Entre as principais complicações estão seromas, hematomas, pneumonias, trombose venosa profunda, peritonite, fístulas, hérnias, obstruções intestinais, aderências, tromboembolismo pulmonar e outros.

Cabe ao médico estar apto para identificar as complicações e ao paciente de tomar todos os cuidados devidos no pré e pós operatório.

Facebook Twitter Google Plus WhatsApp
Sobre o autor: Grazielle Dias cursou moda na IED BRASIL no Rio de Janeiro, morou 2 anos em Milão na Itália quando seus pais foram transferidos para presidir uma multinacional e hoje trabalha com artigos voltados para o publico feminino com dicas de moda e tudo que faça parte do mundo feminino. Mais deste autor.